EQUIPE MATA

Membros Actuais

Ignacio Fernandez Mata, PhD

Ignacio Fernandez "Nacho" Mata, PhD é o líder do Laboratório Mata. Estudou biologia na Universidade de Oviedo na Espanha, onde mais tarde realizou doutorado em Neurogenética. Estuda a genética das doenças neurológicas, especialmente a doença de Parkinson, desde 2001 e recebeu treinamento com expoentes da área na Mayo Clinic, na University of Washington e no VA Puget Sound. Em 2006, foi convidado para um encontro pela SOLAMA, a sociedade de Transtornos do Movimento da América Latina, em Lima, Peru. Lá teve a oportunidade de conhecer alguns talentosos especialistas em Transtornos do Movimento de diversos países latinoamericanos, que demonstraram interesse em ter acesso a testes genéticos para os seus pacientes. Nacho ofereceu-se para ajudar e nasceu o LARGE-PD. Em 2018, mudou-se para a Cleveland Clinic, de onde espera fazer todo o possível para avançar o conhecimento da doença de Parkinson. Esse esforço tem como objetivo proporcionar melhores cuidados aos pacientes e, quem sabe um dia, descobrir a cura ou um tratamento que diminua sua progressão. No LARGE-PD, a sua motivação é assegurar que estes avanços se apliquem a todos, independentemente da sua etnia ou país de origem, bem como auxiliar na construção dos recursos necessários, tanto físicos como de pessoal, para permitir que os cientistas da América Latina realizem localmente pesquisa de alta qualidade. Finalmente, Nacho gostaria de sensibilizar os clínicos, pesquisadores e, mais importante, os pacientes sobre a investigação genética e a importância da sua participação em estudos, assegurando que estas populações não sejam deixadas para trás. Fora do laboratório, Nacho gosta de viajar, andar de bicicleta, caminhar, acampar e passar tempo com a família.

Miguel Inca Martinez

Miguel Inca Martinez é o diretor do laboratório Mata Lab. Estudou biologia na Universidad Nacional Mayor de San Marcos e obteve o seu Mestrado em Genética Humana na Universidad Peruana Cayetano Heredia, no Peru. Tem trabalhado com doenças neurogenéticas como a doença de Huntington, ataxia espinocerebelar, doença de Parkinson e outras desde 2012. Miguel iniciou a sua formação no Centro de Investigação Neurogenética em Lima, Peru. Em 2012, começou a colaborar no processo de recrutamento do projecto LARGE-PD em seu país e, em 2014, sob a supervisão do Nacho, fez um estágio na University of Washington e no VA Puget Sound. Ter tido a oportunidade de conhecer os indivíduos afetados por doenças neurogenéticas, como a doença de Parkinson, possibilitou um entendimento muito além das amostras de DNA. Esta experiência ajudou Miguel a compreender como este trabalho pode ser importante para cada pessoa afetada. A sua motivação pessoal por trás do seu trabalho com o LARGE-PD é saber que toda a informação que produzem como cientistas será utilizada a favor de um indivíduo e da sua família, independentemente da sua etnia ou região de origem. No seu tempo livre, Miguel gosta de cozinhar comida peruana e de viajar.

Emily Mason

Emily Mason é Técnica de Pesquisa no Laboratório Mata. Nesta função, ela ajuda a realizar experimentos para apoiar os projetos de pesquisa em curso, utilizando técnicas como a amplificação do DNA por PCR e eletroforese em gel. Emily concluiu recentemente uma licenciatura em biologia pela University of Denison, em Granville, Ohio. Passou anteriormente um verão fazendo pesquisa no Ohio State University’s Comprehensive Cancer Center, onde estudou o câncer de mama e, mais especificamente, os fatores que influenciam a progressão metastática para o cérebro. Emily ajuda atualmente a gerar dados e a processar as amostras de pacientes e controles enviadas pelos vários centros envolvidos no LARGE-PD. O foco do LARGE-PD na representatividade é muito importante para ela. A ciência carece de diversidade e ela acredita que isso seja a chave para grandes progressos na medicina genômica. A inovação científica tem o poder de melhorar a vida de um indivíduo e ela está entusiasmada por contribuir no esforço de tornar tais avanços acessíveis a grupos anteriormente sub-representados. No seu tempo livre, Emily adora experimentar novas receitas, ouvir podcasts e correr.

Shilpa Rao

Shilpa Rao é estudante de Doutorado em Medicina Molecular na Clínica Cleveland. Ela é formada em biologia molecular pela Loyola University Chicago e se envolveu com a LARGE-PD após ouvir uma apresentação do Mata Lab para seu programa de doutorado. Ela ficou imediatamente intrigada e quis se envolver com a iniciativa. Shilpa acredita firmemente que a diversidade é uma necessidade. Na sociedade, a necessidade de aceitar e representar todas as pessoas é reconhecida, mas ela pode ser negligenciada na comunidade científica. Com o crescimento da pesquisa genética, é surpreendente que grande parte da representação tenha sido de pessoas de ascendência européia. Portanto, ela acredita que a LARGE-PD é um dos fortes impulsionadores da pesquisa atual que se concentra na inclusão, uma iniciativa que inspirará mais consórcios genéticos minoritários a serem feitos. Em seu tempo livre, Shilpa gosta de estar ao ar livre com sua cachorrinha Elsie, ir a pizzarias e cervejarias locais e assistir filmes de terror.

Nicolas Gutierrez

Nicolas Gutierrez é um Coordenador de Investigação II para o Laboratório Mata. Recebeu um bacharelado da Universidade Johns Hopkins, onde estudou neurociência e psicologia. Nicolas trabalhou em vários laboratórios de investigação antes de chegar ao laboratório Mata, com foco em laboratórios orientados para a neurociência. Começou a trabalhar no Cleveland Clinic em 2019 como coordenador de investigação no departamento de Medicina Física e Reabilitação. Juntou-se à equipa Mata a fim de prosseguir a investigação sobre a doença de Parkinson, e de contribuir para a missão da LARGE-PD de trabalhar com as comunidades hispânicas. Nicolas está incrivelmente interessado nas doenças neurodegenerativas e na sua patofisiologia, genética e tratamento. Uma história familiar de diferentes doenças neurológicas e psicológicas despertou o seu interesse em compreender como as doenças neurológicas podem afetar as pessoas. Como membro do Laboratório Mata, Nicolas está entusiasmado em trabalhar com as populações hispânicas a fim de fazer avançar a ciência que pode ser benéfica para elas. Como cidadão colombiano nato, valoriza a diversidade e a representação na ciência. Ele acredita que a promoção da diversidade na ciência é um passo incrivelmente importante para ajudar a estabelecer pontes de confiança com as comunidades que foram marginalizadas e que se sentiram desconfortáveis com o sistema médico. Nicolas gosta de ler, fazer caminhadas, cozinhar, dançar e ser DJ no seu tempo livre!

Thiago Peixoto

Thiago Peixoto começou a trabalhar como pesquisador de pós-doutorado no Mata Lab em abril de 2021. Possui graduação em Ciência da Computação pela Universidade Federal de São João Del Rey e mestrado e doutorado em Bioinformática pela Universidade Federal de Minas Gerais , ambos no Brasil. Anteriormente, ele passou quase dez anos trabalhando no Laboratório de Diversidade Genética Humana com um dos maiores geneticistas populacionais do Brasil. Neste laboratório, Thiago fez parte da grandes conquistas nos estudos das populações latino-americanas, incluindo o mapeamento da composição da população brasileira e a inferência da dinâmica da miscigenação; a análise das populações nativas americanas no Peru; e o estudo da influência da diáspora africana na formação das populações americanas. A motivação pessoal de Thiago para o seu trabalho com o LARGE-PD é ajudar a melhorar a qualidade de vida de muitas pessoas, principalmente aquelas que vivem em países que não têm acesso aos melhores tratamentos médicos e medicina personalizada. Como brasileiro, uma pessoa cujo material genético, cultura e costumes são o resultado da interação de diversas populações ao longo do tempo, sente que a diversidade faz parte de seu DNA. Nas horas vagas, Thiago gosta de ficar com a família, assistir filmes e programas de TV, jogar games e viajar.

Sekinat Mumuney

Sekinat Mumuney é uma estudante de medicina no Cleveland Clinic Lerner College of Medicine (CCLCM) que fez estágio no Laboratório Mata no verão de 2020. Atualmente, ela está trabalhando em um projecto que procura validar variantes genéticas em famílias com Doença de Parkinson do LARGE-PD. Sekinat tem uma licenciatura em Engenharia Biomédica na Mercer University e frequenta agora o Cleveland Clinic Lerner College of Medicine. Antes de entrar para o Laboratório Mata, foi pesquisadora no National Institute of Mental Health no NIH, onde trabalhou no desenvolvimento de ferramentas genéticas para a neuromodulação em primatas não humanos. Sekinat está interessada tanto em desigualdades na saúde como em pesquisa e sente que o trabalho do LARGE-PD está na intersecção de ambos. Como aspirante a médica e cientista, Sekinat gostaria de prosseguir com este mesmo tipo de trabalho no futuro e está entusiasmada por aprender e desenvolver-se como cientista através desta experiência. Sekinat também adora viajar, experimentar novas comidas e restaurantes e passar tempo com amigos e família, bem como música, livros e cinema.

Samantha Stalkamp

Samantha Stalkamp é uma estudante de medicina no Cleveland Clinic Lerner College of Medicine (CCLCM) que fez estágio no Laboratório Mata no verão de 2019. Concluiu a sua licenciatura em Neurociência na The Ohio State University em 2019 e é atualmente uma estudante de medicina no CCLCM. No Estado de Ohio, estudou no laboratório da Dra. Ashleigh Maxcey um paradigma chamado recognition-induced forgetting, de onde tem tido a honra de ter várias publicações sobre o assunto. A sua escola de Medicina é dedicada à formação de médicos-cientistas e, no primeiro semestre, os estudantes foram designados aleatoriamente para trabalhar em vários laboratórios do Lerner Research Institute. Samantha teve a sorte de ser colocada junto do Dr. Mata. Apesar de ter entrado no Laboratório Mata por acaso, ela permaneceu envolvida após o término do programa devido à importância que atribui a esta investigação. Ela acredita que a falta de representação latino-americana na investigação genética é inaceitável e espera que o seu trabalho aqui possa diminuir esta desigualdade para que todas as pessoas possam se beneficiar da inovação científica na era da medicina personalizada. Atualmente passa a maior parte do seu tempo estudando, mas também gosta de comer e de dormir!

Madeleine Williams

Madeleine Williams é uma aluna do ensino médio que recentemente começou a trabalhar como estagiária de pesquisa no Laboratório Mata. Ingressou no inverno de 2020 através de um programa de pesquisa científica da sua escola. Sempre adorou ciência e está muito grata por esta incrível oportunidade de aprender em um ambiente profissional. Madeleine está muito entusiasmada por fazer parte do LARGE-PD e deste projeto significativo pela capacidade de ajudar a melhorar as vidas de tantos pacientes com a doença de Parkinson nas populações latino-americanas. Ela acredita que é extremamente importante que todas as pessoas estejam igualmente representadas nesta época de tremendo crescimento na investigação genética e o LARGE-PD desempenha um papel importante para ajudar a preencher esta lacuna. No seu tempo livre, Madeleine gosta de jogar golfe, cozinhar e passar o tempo com amigos e família.

Membros Anteriores

Elif Irem Sarihan, MD

Elif Irem Sarihan, MD, foi pós-doutoranda no Laboratório Mata desde o verão de 2019 até 2020. Concluiu a faculdade de Medicina e residência em Medicina Interna em Istambul, Turquia, e tem trabalhado em tempo integral na pesquisa genômica durante os últimos três anos. O principal projeto de Irem no laboratório foi a investigação de variantes do número de cópias na coorte LARGE-PD. O Laboratório Mata ganhou dois prêmios com este projeto e está atualmente preparando vários manuscritos para publicar os seus resultados. Para Irem, o LARGE-PD representa inclusão na medicina. Independentemente da sua origem, ela acredita que cada vida e cada paciente são importantes e devem ser incluídos na pesquisa biomédica. O LARGE-PD é um esforço crítico para alcançar este objetivo nos estudos genômicos e ela tem muito orgulho em fazer parte dele. Ela gostou verdadeiramente do seu tempo no Laboratório Mata, especialmente do ambiente de apoio. Recentemente, ela juntou-se ao programa de Medicina Interna do Hospital de Bridgeport/Yale e começou a trabalhar lá como médica em julho de 2020. No seu tempo livre, gosta de correr, nadar e andar de bicicleta, e planeja treinar para um triatlo num futuro próximo.

Laura Jiménez, MD

Laura Jiménez, MD, trabalhou como estagiária e completou um estágio de um mês no LARGE-PD em fevereiro de 2020. Formou-se recentemente em medicina na Universidad Javeriana em Bogotá, Colômbia. Durante o seu tempo no laboratório, ajudou a organizar as amostras de DNA para o LARGE-PD e aprendeu sobre procedimentos laboratoriais. Laura tem um forte interesse em Neurologia, especialmente na área da demência, e sentiu que aprender e ajudar com este projeto foi uma experiência valiosa para a sua carreira futura. Ela ainda mantém contato com o Mata Lab e espera continuar a envolver-se com o LARGE-PD nos próximos anos. Algumas das suas memórias favoritas do seu tempo no laboratório incluem todas as pessoas que conheceu e coisas que foi capaz de aprender. Laura também gosta de fazer esportes, tais como corrida, dança e ginástica, assim como de leitura.